Hortas urbanas mudam a paisagem de Brasília

re-ação hortas urbanas

Há três anos, Alda Duarte decidiu transformar espaços públicos no caminho que fazia da sua casa ao trabalho em canteiros com variados cultivos de hortaliças. Com a ajuda das redes sociais, Alda encontrou outras iniciativas que também promovem a agricultura urbana no Distrito Federal. Inspirada nelas, reuniu vizinhos e ampliou a experiência social de cuidar de espaços que, na verdade, sempre pertenceram à vizinhança.

(Leia também: Hortas comunitárias se multiplicam nas favelas cariocas)

O grupo formado por Alda organizou-se e passou a coletar assinaturas para saber quem apoia a iniciativa, e os próximos passos do coletivo serão a plantação de ervas medicinais e de árvores frutíferas.

alda duarte horta comunitaria

Ideias como as de Alda vêm se disseminando pelo Distrito Federal, colocando em prática o que estava proposto no projeto inicial de Lúcio Costa, urbanista que projetou Brasília. Ele queria que houvesse uma “coexistência social” na cidade. E uma das formas de viabilizar isso seria usar espaços das superquadras para floriculturas, hortas e pomares.

Atualmente, já existem hortas comunitárias feitas por moradores de Águas Claras e de quadras do Plano Piloto como a 114 Sul e a 302 Norte. Na 206 Norte, o processo já está avançado. Lá, os moradores construíram um viveiro, hortas e um sistema agroflorestal (SAF).

re-ação hortas urbanas

Igor Aveline é um dos responsáveis pela iniciativa na Quadra 206 Norte, batizada de “Re-Ação”. O objetivo é fortalecer o envolvimento comunitário e o empoderamento social a partir de práticas agroecológicas e construir de forma participativa um espaço modelo de agricultura urbana, aberto e possível de replicação em outras localidades.

Tanto que moradores de outras localidades já estão procurando auxílio técnico para executar projetos semelhantes. O reconhecimento levou os moradores da quadra a inscrever o Re-Ação no Catarse, site voltado ao financiamento coletivo de ações. O objetivo é obter R$ 15.500 por meio de doações que podem variar de R$ 15 a R$ 500.

Como forma de agradecer a quem contribuir, os organizadores oferecem sementes, guias de agricultura urbana, livros etc. Com os recursos, o coletivo pretende transformar a Re-Ação em um modelo de agricultura urbana, com central de compostagem, horta comunitária, espirais de ervas, sistema agroflorestal e oficinas práticas de educação ambiental, além de cursos de agroecologia.

Futuramente, os organizadores pretendem ainda promover uma feira orgânica no local a partir da rede de produtores agroecológicos de Brasília e incluir produtos do Re-Ação com fins à manutenção e custeio de possíveis investimentos coletivos.

+ Com informações da Agência Brasil.
+ Imagens:
– Alda (José Cruz/Agência Brasil)
– Re-Ação (Facebook do Igor Aveline)

Anúncios

Um comentário sobre “Hortas urbanas mudam a paisagem de Brasília

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s