Agricultura urbana: quando a cidade encontra o rural

horta_ccspHorta Coletiva Urbana do Centro Cultural São Paulo (CCSP)

Um dos tantos desafios que as grandes cidades enfrentam para se tornarem mais sustentáveis diz respeito à segurança alimentar e à crescente necessidade de se produzir alimentos mais próximos das zonas metropolitanas. Neste sentido, a agricultura urbana e periurbana surgem como alternativa para a questão dos alimentos e também como motor para o fortalecimento da vida comunitária, desenvolvimento local, geração de renda, formação de microclimas e utilização racional de espaços públicos, entre outros.

Além disso, o uso produtivo destes espaços proporciona a limpeza de áreas antes degradadas ou abandonadas, e trazem melhorias consideráveis ao ambiente local, com impacto positivo na sanitização pública, reciclagem de lixo orgânico e educação ambiental.

Mas o que é agricultura urbana?
A agricultura urbana é uma prática que inclui produção, agroextrativismo, coleta, manufatura e prestação de serviços ligados à agricultura e pecuária, voltados para o consumo próprio, troca e comercialização em espaços urbanos ou periféricos de regiões metropolitanas. Tais atividades, geralmente, são realizadas em pequenas áreas, como quintais, terraços, pátios ou em hortas urbanas – espaços comunitários ou públicos, como terrenos baldios, estacionamentos e praças.

hortas cariocas 2
Projeto Hortas Cariocas, no Rio de Janeiro

De acordo com os pesquisadores Alain Santandreu e Ivana Cristina Lovo, essas atividades devem pautar-se pelo respeito aos saberes locais, igualdade de gênero através do uso de tecnologias apropriadas e processos participativos, promovendo a gestão urbana, social e ambiental.

Praticar agricultura dentro ou em volta das cidades e metrópoles é um fenômeno em expansão, com centenas de boas práticas espalhadas mundo afora. Porém, tais práticas não são exatamente uma novidade. Seja em Tóquio ou São Paulo, pessoas sempre cultivaram hortas ou criaram pequenos animais, mas o que tem acontecido atualmente é diferente.

Para além da alimentação, a produção de comida em áreas urbanas está sendo redimensionada e ganha valor também como instrumento de socialização, organização social, reapropriação de espaços públicos e também empreendedorismo e inovação.

p1010028Brooklyn Grange Farm, em Nova Iorque: novas cores na metrópole

Ademais, ao aproximar campo da cidade, a agricultura urbana contribui para a estruturação de circuitos de proximidade entre produtores e consumidores, promovendo dinâmicas que podem tornar o sistema alimentar mais justo e ágil. Essa aproximação pode estimular  também processos educativos de resgate do ciclo de alimentação e de sistemas de produção e processamento de alimentos. Quando se produz e se consome localmente, a economia regional é beneficiada, evita-se o desperdício, menos poluição é gerada e menos lixo é produzido.

sole-food-01No Canadá, o Sole Food trouxe o campo para dentro da cidade de Vancouver

+ Imagens: Peperômia Urbana; Thomaz Silva (Agência Brasil); The World Stroll; Vancouver4Life.

Anúncios

2 comentários sobre “Agricultura urbana: quando a cidade encontra o rural

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s