A cara da nova juventude rural

camila

O Instituto Souza Cruz encomendou uma pesquisa sobre os jovens atendidos pelo programa Novos Rurais. Os resultados do estudo destacam a visão dos jovens da zona rural sobre as oportunidades de se empreender no campo e sobre como isso afeta suas perspectivas profissionais e relações sociais.

A pesquisa aponta um novo perfil de juventude rural, que enxerga o campo como um local de oportunidades (92%), o lugar que escolheu para viver (88%) e onde já encontra mais autonomia e espaço para participar da gestão dos negócios familiares (87%).

Visite a página da pesquisa e conheça os resultados

Anúncios

Caipirismo no Instagram 🚜 📷

Estamos no Instagram!
É com um certo delay – mas antes tarde do que nunca – que abrimos, no Instagram, mais um espaço para trocar ideias sobre comida, nova ruralidade, turismo rural e sustentabilidade.
 
 
 

O Brasil é mais rural do que se imagina

arte-naif-ana-maria-dias
Ana Maria Dias

Eu poderia começar este post com um subtítulo do tipo “eu já sabia!”… fato da vida é que, segundo uma avaliação do IBGE, o Brasil é mais rural do que se supõe atualmente.

O instituto lançou nesta segunda-feira, 31 de julho, uma nova proposta para uniformizar a classificação de áreas urbanas e rurais, retratada na publicação Classificação e caracterização dos espaços rurais e urbanos do Brasil – uma primeira aproximação.

De acordo com a nova proposta, 76% da população brasileira residiria em “zonas urbanas” em 2010, enquanto, segundo a classificação adotada atualmente, 84,4% dos habitantes do mesmo ano moravam nas cidades. O que, para qualquer um que vive ou conhece um pouco dos interiores deste gigante país, não faz o menor sentido…

O objetivo do estudo é promover uma discussão sobre os critérios de distinção entre rural e urbano até 2020, para que seja possível aprimorar a divulgação do próximo Censo Demográfico.

O IBGE reconhece que a questão toca em pontos sensíveis, o que deve gerar um debate na sociedade. Atualmente, cada município define através de legislação municipal própria o que é considerado zona urbana e zona rural.

A classificação determina a forma de incidência de tributos. Na área urbana é cobrado o IPTU, recolhido para os cofres municipais, enquanto que na área rural a arrecadação é federal, explicou o órgão. Aí a gente já começa a entender como chegamos a estes 84% de população urbana no país…

A proposta do IBGE adota três critérios básicos para a elaboração da nova classificação: a densidade demográfica, a localização em relação aos principais centros urbanos e o tamanho da população. Após análise dos critérios, os municípios foram caracterizados como “urbanos”, “rurais” ou “intermediários”.

A metodologia aplicada segue as mesmas orientações de organizações internacionais como a União Europeia, e a de países como os EUA, o que permitiria a comparabilidade dos resultados brasileiros.

.  .  .

Com informações do site da Isto É (Estadão Conteúdo).

 

A Terra Vermelha e as tensões no campo

La-tierra-roja-cartel

Uso indiscriminado de agrotóxicos, plantações de eucaliptos em áreas de mata nativa, relações de trabalho no meio rural, saúde pública, acesso a educação… este é o cenário de A Terra Vermelha (La Tierra Roja), que conta a história da delicada relação de Pierre, funcionário de uma madeireira, e Ana, professora e ativista em prol da saúde da população de povoado no interior da Argentina.

Assisti a este belo filme quase sem querer neste fim de semana, sem ler sinopse ou ter ouvido falar dele. Além da grata grata surpresa em si, a obra trouxe para a reflexão vários elementos ligados a questões do campo,  indispensáveis para quem trabalha, estuda ou é entusiasta sobre a temática dos conflitos no meio rural.

O longa, lançado em 2017 no Brasil, tem a direção de Diego Martinez Vignatti e atuação de Geert Van Rampelberg, como Pierre, e Eugenia Ramírez Miori, como Ana.

Impact Farm: sistema produz até 6 toneladas de alimentos em 163 metros quadrados!

impactfarm01

Transformar pequenos espaços em áreas produtivas é uma das grandes soluções para garantir a segurança alimentar nos centros urbanos. Já são inúmeras as experiências de sucesso mundo afora (exemplos não faltam aqui no blog), como é o caso do Impact Farm, um sistema criado por dois jovens dinamarqueses engajados em melhorar a segurança alimentar, reduzir a pegada ecológica e gerar empregos.

Para alcançar este objetivo, Mikkel Kjaer e Ronnie Markussen criaram uma estrutura projetada para ser autossuficiente em água, calor e eletricidade. Todo o espaço necessário para a instalação do sistema é de apenas 163 metros quadrados, onde é possível produzir ervas, verduras, legumes e plantas frutíferas.

A área é suficiente para colher de três a seis toneladas de alimento ao ano, dependendo do modelo escolhido. Segundo os criadores, o de menor capacidade é indicado para pequenos comerciantes e restaurantes. Já, o modelo mais potente pode ser usado para distribuir alimentos em escolas, creches, asilos e muito mais.

impactfarm03

Os jovens não se preocuparam apenas com a funcionalidade, mas também com a estética do projeto. A ideia era ter uma fazenda urbana bonita e que ajudasse a revitalizar espaços abandonados ou inutilizados nas cidades, como estacionamentos ou vãos de prédios. O sistema modular é feito a partir de materiais reaproveitados e pode ser desmontado e transportado para outros locais, conforme necessário.

.  .  .

+ Com informações do site Ciclo Vivo.

Retrospectiva Caipira 2016

No nosso primeiro post de 2017 apresento a vocês os conteúdos que mais se destacaram no ano que passou, batendo recordes de acesso e compartilhamento no Facebook, como as “10 tendências gastronômicas para 2016”, o artigo sobre “Ernst Götsch e a agricultura sintrópica” e a seleção das “10 cervejas de Niterói que você precisa beber!”. Confira esta deliciosa lista e relembre comigo os principais posts do Caipirismo em 2016!

1. Resenha do livro “Sal Açúcar Gordura”
michaelmoss

2. 10 tendências gastronômicas para 2016
Trends_2016_Blog images_450x28_Header

3. 9 pratos que são patrimônio da humanidade
was

4. Cerveja é feita com sobra de pães que iriam para o lixo
toast

5. Alimentos desperdiçados na América Latina poderiam alimentar 37% dos famintos no mundo
desperdicio_alimento_reprodução

6. Ernst Götsch e a agricultura sintrópica
ernst

7. Responsa: saiba onde tem um orgânico perto de você
mapa

8. Descobrindo Jurubatiba
img_3715

9. 15 fazendas urbanas mundo afora
brooklyngrange

10. 10 cervejas de Niterói que você precisa beber!
cervejadeaddog

Conheça uma agrofloresta de 23 anos!

invitation

Os neozelandeses Robert e Robyn Guyton cultivam uma agrofloresta há 23 anos! O terreno de 8 mil m2  é uma fonte absurda de alimentos e foi idealizada com base em nos princípios da permacultura. As plantas da mata, das pequenas às grandes, fornecem alimentos para pessoas e bichos numa quantidade equilibrada. Conheça a história deles nesse vídeo produzido pelo pessoal da Happen Films.