Não desperdice alimentos!

 

institutofeiralivre
Crédito da imagem: Instituto Feira Livre

O que vem em mente quando você lê alguma coisa sobre mudanças climáticas? Acha que o problema está distante de você e só diz respeito à indústria? Já parou para pensar que muito desse papo tem a ver com comida e sobre todo o caminho que o alimento faz para chegar até a ponta do seu garfo? Pode parecer difícil de mensurar, mas dá pra imaginar o quanto de desperdício tem nesse percurso, né?

Qual é o impacto de uma sacola com restos da salada que vai para o lixo frente a outros elementos que contribuem para o aumento dos gases de efeito estufa, como a queima de combustíveis fósseis? Pode parecer pouco, mas nós – eu, você e um monte de gente – estamos desperdiçando muito, em escala global!

institutochao.jpg
Crédito da imagem: Instituto Chão

Como definifo pelo The Climate Lab, o desperdício de comida é, realmente, “o problema mais idiota do mundo”. Mais de um terço de todos os alimentos produzidos globalmente é desperdiçado ou estragado e, lamentavelmente, uma em cada nove pessoas sofre de desnutrição crônica neste planeta.

Segundo dados da FAO, a quantidade de terra dedicada à produção de alimentos desperdiçados seria o segundo maior país do mundo! A questão é: como toda essa terra pode ser usada para produzir alimentos que nunca chegam ao seu destino final?

A boa notícia é que reduzir o desperdício de alimentos é relativamente fácil em nível individual e aqui estão algumas maneiras fáceis de começar:

1. Seja realista sobre a quantidade de alimentos que você consome. Planeje as suas compras e compre o necessário. Vale a regra de ouro: nunca vá ao mercado com fome! Outra dica: faça compras pequenas e frequentes.

2. Não exagere na hora de cozinhar, mas se a receita der para um batalhão, use a criatividade para aproveitar as sobras no famoso SOS (sobras de ontem sortidas). A Rita Lobo pode te ajudar com várias dicas de como remixar o almoço de ontem….

3. Aprenda como armazenar os alimentos corretamente. Soa óbvio? Certifique-se de que você sabe quais frutas e vegetais devem ser armazenados à temperatura ambiente, e que você pode colocar na geladeira ou freezer para que eles durem mais.

4. Reduza o uso de embalagens comprando a granel ou escolhendo produtos soltos. Vai comprar frutas e legumes? Evite o saquinho plástico e coloque-os direto no carrinho. Depois de pesá-los, eles podem ir direto para a sacola de compras, por exemplo…

5. Compostagem: se você quiser ir além, a compostagem transforma restos de comida em ricos nutrientes para a sua horta ou jardim, e mantém os resíduos orgânicos fora dos aterros sanitários. Veja como fazer nessas dicas do site Sempre Família.

6. E por fim, descubra se no seu bairro ou cidade existem programas de doações de alimentos, como o Sesc Mesa Brasil.

 

Anúncios

Paris quer criar uma floresta urbana gigante

A woman walks with her greyhound dogs along a path in the Durand forest near the French border to Switzerland in Ferney Voltaire
Imagine uma floresta assim em Paris… (crédito: Denis Balibouse/Reuters)

Com proibições de carros, grande expansão de transporte público e planos radicais para beneficiar pedestres, Paris vem ganhando reconhecimento como vanguarda no combate contra a poluição urbana. Para seguir adiante nesta cruzada, a Cidade Luz pretende criar uma nova floresta ao norte da região metropolitana!

As árvores seriam plantadas em um espaço  de 1.350 hectares, aproximadamente cinco vezes o tamanho do Central Park de Nova Iorque.

O plano não é novidade. Há mais de 15 anos o projeto está sendo adiado por debates e mais debates em torno do melhor uso do espaço que já está parcialmente urbanizado. Neste ano, representantes locais conseguiram avançar na proposta.

Destinar um espaço enorme para “árvores que não pagam impostos” em uma das áreas mais cobiçadas pela especulação imobiliária não é fácil, mas o terreno não tem uma história tão nobre…

Por mais de um século, a planície funcionou como um lixão resultando em um solo altamente tóxico, recheado de metais pesados. Ainda hoje o terreno ainda tem focos de despejo clandestino de lixo.

Para resolver esta questão, a superfície do terreno poderia ser coberta com árvores “absorventes de poluentes”, como o vidoeiro e o carvalho, formando uma grande floresta com trilhas e estradas, funcionando como um dissipador de carbono.

Este novo bosque ainda funcionaria como elo de ligação entre  as florestas de Saint Germain-en-Laye e Montmorency e também os rios Sena e Oise, formando um enorme tapete verde em plena área metropolitana.

Em meados deste século, poderia ser possível que um esquilo altamente motivado passasse de ramificação para filial do castelo de Versalhes para o castelo de Chantilly sem tocar uma vez no chão – uma distância de cerca de 30 milhas…. imagine essa ideia se tornando realidade…

.  .  .

+ Com informações do site City Lab.

 

 

Uma floresta tropical dentro da Amazon

amazon02

E esse novo escritório da Amazon, em Seattle? A sede da gigante do varejo ganhou ares tropicais ao receber cerca de 40 mil plantas vindas diretamente de florestas de 30 países diferentes. Excêntrico, não?

Pois é, a mini-selva encontra-se abrigada em três esferas de vidro que se conectam e propiciam um espaço para os funcionários da Amazon fugirem um pouco dos e-mails, reuniões e relatórios, para espairecer a mente por entre trilhas de pedras, quedas d’água e muitas plantas, dentre elas um lindo paredão de samambaias da floresta amazônica.

amazon01

A parte mais complicada do projeto foi transportar uma árvore de quase 20 metros de altura de uma fazenda do sul da Califórnia até o centro de Seattle, levada por uma grua e inserida no prédio por uma abertura no teto da estrutura.

A floresta conta com conexão wi-fi e salas de reunião em formato de ninho de pássaros, caso os funcionários desejem trabalhar no ambiente. A maior das esferas tem 90m de altura por 40m de largura e a temperatura média da floresta fica em torno dos 22 graus, com umidade do ar em 60%. Um sistema de ventiladores simula uma brisa tropical e o termômetro varia de temperatura ao longo do dia.

amazon06

amazon05

Wolf Image

amazon07

amazon08.jpg

.  .  .

+ Com informações da Bloomberg Technology e imagens por Mike Kane/Bloomberg.

Caipirismo no Instagram 🚜 📷

Estamos no Instagram!
É com um certo delay – mas antes tarde do que nunca – que abrimos, no Instagram, mais um espaço para trocar ideias sobre comida, nova ruralidade, turismo rural e sustentabilidade.
 
 
 

Cerrado em chamas

viadeiros

Cerca de 54 mil hectares, ou 22% do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros,  localizado na região centro-oeste do estado de Goiás, já foram atingidos pelo incêndio no Cerrado.

Há 14 dias, a região é atingida por uma sequência de focos — o mais grave começou na última quarta-feira. Confira na reportagem da BBC como está sendo o trabalho de 200 brigadistas que, com poucos recursos, lutam contra o fogo.

Conheça o prédio mais sustentável do mundo

bloomberg02
Nas janelas, “folhas” seguem o sol para manter a temperatura agradável

O novo prédio da Bloomberg, assinado pela Foster+Partners, inaugurado recentemente em Londres, recebeu a certificação BREEAM com a nota mais alta (de 98,5%) jamais dada a um edifício comercial!

É o padrão de sustentabilidade arquitetônica mais rigoroso que há. Por exemplo, toda a água do edifício, inclusive a água da chuva, é reaproveitada e os sanitários são a vácuo, como os de avião.

No teto, uma trama de ‘pétalas’ entrelaçadas regula o calor e evita perdas pela condensação. Nas janelas laterais, “folhas” seguem o sol ao longo do dia para manter a temperatura agradável e o ambiente interno, iluminado.

bloomberg03
‘Pétalas’ entrelaçadas regula o calor e evita perdas pela condensação

O edifício da Bloomberg foi construído para ser referência mundial em sustentabilidade e, não à toa, está no centrão tradicional da cidade, no caminho entre o Bank of England e a Catedral de St. Paul.

bloomberglondon
“Living wall” do espaço de convivência do edifício.

+ Com informações do Meio e do Curbed

Plataforma permite simular futura matriz elétrica brasileira

solar-power-solutions.jpg
Crédito da imagem

Estimativas oficiais apontam que até 2025 o Brasil precisará aumentar cerca de um terço de sua produção de energia para atender as demanda de eletricidade. Mas como será formada a nossa matriz? Dependendo dos tipos de fonte, os custos poderão ser maiores ou menores, assim como os prejuízos ao meio ambiente.

A plataforma #Quantoé? Gerar Energia, criada pelo Instituto Escolhas, permite que qualquer pessoa simule a montagem deste cenário, utilizando sete possibilidades de energia que atualmente compõem o Sistema Integrado Nacional (SIN): hidrelétrica, solar, eólica, térmica a biomassa, térmica a gás natural, térmica a carvão e nuclear.

O simulador ainda informa o valor necessário dos investimentos e qual seria o valor na sua conta de energia por megawatt-hora com base na distribuidora de energia da região onde mora, conforme explica Sérgio Leitão, diretor de Relacionamento com a Sociedade do Instituto Escolhas e coordenador da plataforma:

 

“Tem o custo do investimento e tem o custo da operação, que é o quanto cada fonte dessas custa para funcionar na prática. A soma do custo do investimento mais o custo da operação está por trás do conjunto de dados e cálculos que quando pessoa começa a manipular a plataforma #Quantoé? Gerar Energia, vai ter uma informação segura, qualificada e estruturada para que possa conseguir fazer o cálculo da sua opção de quanto vai significar em termos de investimento para o país”.

energia-eólica4
Crédito da imagem

 

Leitão também destaca que a ferramenta é uma maneira de popularização do tema e até de conscientizar as pessoas sobre a importância de uma matriz limpa:

“É uma plataforma bastante interessante porque permite as pessoas tomarem mais ciência e informação de um assunto extremamente relevante, que faz parte de nosso dia a dia, e que quando faz falta nos deixa absolutamente sem ter o que fazer, porque perdemos a noção daquilo que antigamente fazia parte do dia a dia da vida das pessoas. Com isso, não sabemos o quanto está custando, quanto isso significa em termos de impactos ambientais e sociais, e quanto isso gera de externalidades”.

A plataforma é um meio de tangibilizar para a sociedade um conjunto de dados e informações, para que as pessoas possam ter o controle social desta informação sobre um setor que é vital para o crescimento sustentabilidade do país.

A ferramenta ainda traz informações sobre o processo de geração de energia no Brasil, bem como a explicação sobre o que é cada uma das fontes apresentadas e como é possível entender como funciona a conta de luz. Conheça a #Quantoé? Gerar Energia aqui.